STF inova com proposta de reajuste “abaixo de zero”

Embora de forma não oficial, já está rodando a proposta do STF para os servidores do Poder Judiciário. Conforme áudio abaixo, a proposta apresentada é a seguinte:

Um reajuste de aproximadamente “40%” em quatro anos. Entretanto, o grande problema seria que haveria a absorção da Lei 10.698/2003. Seriam 12% de reajuste no Vencimento Básico e da GAJ para 140%, parcelado em oito parcelas semestrais, a partir de janeiro de 2016, com implementação em julho de 2019.

Na prática, considerando os valores referentes aos “13,23%”, muitos servidores teriam reajuste ZERO (pois o salário seria menor que o atual, percebendo VPNI para manutenção do salário nominal) na primeira parcela e, se houver, um reajuste insignificante em julho.

Detalhes da proposta, ainda sem informação oficial, foram disponibilizadas no seguinte endereço: https://drive.google.com/folderview?id=0B_DCG5C0WYs-TWtoQ0NwU0dWdFU&usp=drive_web&ddrp=1#

14 thoughts on “STF inova com proposta de reajuste “abaixo de zero””

  1. Nobre José Barbosa,

    Acho que algo de não deveríamos deixar de considerar é que os 13,23 irão incidir sobre a tabela de 2002. Então, os 13,23% não são 13,23%.

    Fiquemos atentos. O veto não será derrubado pelo Congresso.

    1. Não são, mas enquanto revisão geral incidem sobre diversas parcelas.
      Entre esta proposta e manter a VPI com 21,5% de reajuste, é melhor aquela coisa.

      Por 2% da folha estamos perdendo MUITO.

      1. Nobre José Barbosa,

        Respeito muito suas considerações, mas nesse caso os 13,23 + 21,5% é menos do que está sendo proposto.

        Vamos pegar a titulo de exemplo um analista A1:
        Segundo a sua tese ele iria receber:

        R$ 8.803,97 + 1848,83 (21,5) + 571,57 (13,23) = R$ 11.224,37 (aprox)

        Segundo a proposta do governo ficaria assim:

        5.189,71 (VB) + 7.265,59 (GAJ/GAMPU) = R$ 12.455,30

        1. Se você for considerar que os 21,3% fossem uma revisão geral, haveria casos em que sim e que não.

          Mas nao quero convencer ninguém. Só que se os 13,23% caírem ainda neste ano, em janeiro todos veremos “a vantagem” deste aumento… Quem ainda não entendeu, deveria refletir melhor.

          1. Os 21% secos, sozinhos, permitiriam em tese uma GAMPU de 150%, no mínimo. Some isto com os 13% e veja que já está perdendo em relação à “nova” proposta.

  2. Olha, eu, particularmente, não achei a proposta ruim.

    Prefiro receber os 13% embutidos nessa proposta do que ficar com a esperança vaga de recebê-los algum dia, separadamente.

    Tirando os 13%, são cerca de 28% em 4 anos, o que, na minha opinião, está de bom tamanho, dada a realidade do país.

    Na verdade, esperava bem menos, essa proposta até me surpreendeu. O único porém é a falta de reajusta nas FC’s, isso eu achei um pouco injusto.

    1. Você não entendeu os 13%. Estude o caso, compare valores e depois entenda a perda. especialmente para o MPU, cuja gratificação (GAMPU) é de 30% referente a 2004, e não os 12% do judiciário.
      Para os servidores do MPU, o aumento é negativo na primeira parcela. Muitos só verão “reajuste” a partir de 2017, quando só a inflação de 2015 e 16 já terá acumulado, no mínimo, 15%, nas previsões mais otimistas.

  3. A melhor proposta é a de 16% em parcela única, igual aos membros. (Sinasempu)
    Assim poderíamos lutar por uma data base ou pequenos aumentos anuais e não por 50 e poucos porcento a cada dez anos.
    Juliano Krüger você é do MPU? 28 porcento em 4 anos não chega nem perto da inflação… Com aumento negativo em 2017!!! É melhor ficar no zero.

  4. O que me surpreende é que muitos servidores, mal informados e com preguiça de ler os informativos relativos à carreira, achem que proposta do STF é boa….. não se dão ao trabalho sequer de comparar como ficaria o próprio salário com as duas propostas!!! a a maioria afirma ser a favor da proposta sem saber que só terão aumento efetivo a partir de 2017…… nos conformamos com migalhas!! todos sabem que os juízes, promotores e procuradores dobrarão o salário em 2015 e, com a nova LOMAN, o salário será triplicado…. todos, no MPU, estão recebendo entre 50 e 80 mil mensais… pesquisem nos sites de transparência e perceberão o abismo e criação dos novos marajás do Brasil….. lamentável……

  5. Galera,

    Esse negócio de derrubar veto é ilusão!!! Se a gente não pegar o aumento que o governo tá dando nós vamos perder.

    Esse discurso dos sindicatos é engodo. Mentira. Por causa dos sindicatos que não aceitaram o subsídio perdemos o aumento de 2009!!!!

    Vamo ficar de olho aberto!!! Vamos aceitar!!! Melhor do que ficar sem!!!

  6. José Barbosa, parabéns pelo seu site.

    Inspirado neste post, resolvi fazer uma simulação. Por favor verifique se há alguma incorreção.

    As imagens com os cálculos podem ser vistas em:
    https://www.facebook.com/groups/MPUforte/permalink/927069824005293/

    “Então você aceita de bom grado os presentões recebidos do CNMP (os 13,23%) e do PGR/STF (o novo PCS conforme a contraproposta do governo parcelada em 4 anos).

    Você entende que o momento econômico é de crise e que é impossível conseguir mais do que já nos ofereceram.

    Então, no segundo semestre de 2015 finalmente é implementado no contracheque a diferença dos 13,23%, que nos era devida desde 2003! Quanta alegria!

    Chega janeiro de 2016 e você vai todo felizão pra ver o seu contracheque aumentado pelo novo PCS.

    E aí… você descobre que está ganhando a mesma coisa que no mês anterior!

    Ué, como assim?

    Simples: a primeira parcela do novo PCS é tão minúscula que é inferior à diferença dos 13,23%.

    Para que você não tenha redução salarial, o governo generosamente paga a diferença na forma de vantagem pessoal, mas aumento que é bom, nada.

    Deram com uma mão e tiraram com a outra.

    Melhor esperar julho de 2016, ou seja, a proposta que estão fazendo agora só vai fazer algum efeito daqui a um ano… E não espere grandes coisas pra não se decepcionar! (dica: vai ser algo entre 122 e 370 reais brutos).

    Ah! Se você recebe função de confiança ou qualquer cargo comissionado até CC-3, prepare-se para a surpresa: pode esquecer qualquer reajuste por enquanto. Quem sabe em 2020, quando você estiver comemorando 18 anos sem reposição salarial! 🙂

    Está bom pra você assim?”

  7. Vocês viram isso aqui no substitutivo?
    Especialmente o Inciso 2, será que a PGR inteira se encaixa nesse inciso?
    Parece que os de BSB vão se desgarrar do resto de nós.

    Art. 17. A Gratificação de Atividade de Segurança – GAS é devida ao
    servidor que exerça funções de segurança e esteja em efetivo exercício em órgão ou
    unidade de segurança institucional.
    § 1º A gratificação de que trata o caput deste artigo corresponde a 35%
    (trinta e cinco por cento) do vencimento básico mensal do servidor.
    § 2º A gratificação de que trata este artigo é devida, no percentual de
    25% (vinte e cinco por cento) do vencimento básico mensal, aos servidores que, sob
    designação do Procurador-Geral da República ou da autoridade delegada, atuem em
    órgão ou unidade de pesquisa e análise de informação para subsidiar a atuação
    institucional dos membros do Ministério Público da União.
    § 3º Os servidores efetivos de outros órgãos da Administração Pública e
    os exclusivamente ocupantes de cargo em comissão farão jus à gratificação de que trata
    o inciso II deste artigo no valor de 35% (trinta e cinco por cento) do primeiro padrão do
    vencimento básico mensal da carreira de Analista, caso ocupante de cargo em comissão,
    ou da carreira de Técnico, caso designado para função de confiança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *