Banco de Dados: Normalização

A normalização é um processo pelo qual procura aprimorar a consistência de um banco de dados, a partir de princípios e regras que evitam a repetição de dados, redundâncias desnecessárias ou até mesmo a perda de dados importantes. A normalização é baseada em técnicas de organização e análise de dados, decompondo-os em formas mais simples, conhecidas como formas normais. Os objetivos da normalização, normalmente são:

  • Diminuir o risco de inconsistências na base de dados;
  • Minimizar redundâncias;
  • Garantir a independência dos dados;
  • Facilitar a manutenção dos sistemas;
  • Facilitar a manipulação do Banco de Dados.

Continue reading “Banco de Dados: Normalização” »

Banco de Dados: Regras de Integridade

Bancos de dados são baseados em princípios de integridade e consistência, devendo prover regras e procedimentos que garantam estas características nos dados armazenados. Os SGBDs podem, muitas vezes, tratar de regras de validação de valores sem que isto seja processado pela aplicação, como a inserção de dado sobre um município inexistente, por erro de digitação. São várias as regras de integridade, que tem por objetivo garantir que as informações no banco sejam corretas. As três formas mais comuns são a integridade de domínio, de entidade e referencial.

Continue reading “Banco de Dados: Regras de Integridade” »

Banco de dados – Relacionamentos

Relacionamento é o nome dado à associação entre duas tabelas de um banco de dados, que servem para determinar registros que são correspondentes entre diferentes tabelas.

Um relacionamento depende da coincidência dos dados nos campos envolvidos, chamados campos-chaves. O relacionamento mais comum é o de uma chave primária numa tabela com a chave estrangeira de outra. Há três tipos de relacionamentos: um-para-um; um-para-muitos; muitos-para-muitos. Explico-os adiante. Continue reading “Banco de dados – Relacionamentos” »

Usuários de Banco de Dados

São várias as pessoas que trabalham no entorno de um banco de dados .Desde administradores a projetistas, até os usuários que operam efetivamente os diversos sistemas de uma organização, entenda quais são os principais usuários de Sistemas de Banco de Dados e o que fazem cada um deles.

  • Administrador de Dados: é o responsável por definir como os dados corporativos serão utilizados e compartilhados. Sua função é de organizar os dados, não se preocupando com a forma que é feito o armazenamento.
  • DBA – Administrador de Banco de Dados: é a pessoa responsável por gerenciar os SGBDs, dando e retirando concessão de acesso ao banco de dados aos usuários bem como responsável por monitorar seu desempenho, promovendo ajustes com vistas a melhorar a performance ou corrigir eventuais problemas.
  • DB Designer – Projetista de Banco de Dados: é o responsável por definir os dados que serão armazenados nos bancos de dados, formatando a estrutura adequada para o funcionamento do SGBD.
  • Usuário final: são aqueles que efetivamente operam os bancos de dados, através dos sistemas, podendo realizar consultas mais ou menos complexas de acordo com os seus conhecimentos sobre o funcionamento das aplicações e organização do banco.

Existem ainda outros usuários que prestam suporte ou atividades paralelas. Um bom exemplo são os desenvolvedores de aplicações, que utilizam os bancos de dados para os sistemas que desenvolvem, definindo requisitos e estruturas a serem implementadas.

 

O que é um Banco de Dados

Introdução

Em qualquer sistema, um dos requisitos mais importantes é a forma com que ele armazena, organiza e manipula seus dados relacionados. É inimaginável imaginar uma aplicação que não tenha um conjunto de dados mínimos para que seja funcional. Com o desenvolvimento das aplicações, que estão cada vez maiores, mais complexas, e tendo que atender a um número crescente de usuários, tornam-se cada vez mais importantes os bancos de dados.

Segundo Rob & Coronel, um banco de dados, ou base de dados,” é uma estrutura computacional compartilhada e integrada que armazena um conjunto de: